Fechar menuInícioProdutosÁreas de AtuaçãoDistribuidoresServiçosNotíciasEmpresaContactos
Fechar menuRelógios de PontoBilhéticaGinásios e PiscinasControlo de acessosOutras Soluções
Fechar menuSoftware de AssiduidadeMicro e Pequenas EmpresasTerminais BiométricosTerminais Proximidade
Fechar menuSoftwareValidação & ImprsesãoTorniquetes de Acessos
Fechar menuSoftwareTorniquetes de AcessosControlo de acessos
Fechar menuSoftwareTerminais BiométricosTerminais ProximidadeTorniquetesBarreiras e Pilaretes
Fechar menuSoftwareParques EstacionamentoControlo de RondasControlo de ProduçãoAutomação e ControloLeitores RFIDCCTV
Fechar menuInnuxTimeInnuxTime AdvanceInnuxTime APPWebTimeWebTime AdvanceWeb CalendarMódulos de Integração
Fechar menuInnuxPresentiaInnux ioTime
Fechar menuNuxEasy IIioTBioNuxFingerNuxBio IVNuxScan IIPro BioProbio ACProFaceX BioXFACE-S
Fechar menuNuxIn IINuxPro IINuxKey IINuxMobile GPRSPro RF
Fechar menuInnuxTicketInnux Ticket – DesportoInnuxTicket POSWebTicket POS
Fechar menuVenda Bilhetes Self-ServiceImpressoras de BilhetesImpressora de PulseirasImpressoras de CartõesSistema de Validação de BilhetesValidadores Portáteis de BilhéticaBilhetes e Consumíveis
Fechar menuT1000T2000T3000TornGlassTornFullTornLineTornVirtual
Fechar menuInnuxSports - GinásiosInnuxSports - PiscinasInnuxSports - Escolas DesportivasInnuxSports - Health ClubsInnuxFit - Plataforma Online
Fechar menuT1000T2000T3000TornGlassTornFullTornLineTornVirtual
Fechar menuNuxEasy ACIINuxIONuxIp IIProBio AC
Fechar menuInnuxAccessInnuxAccess OnInnuxMonitorInnuxVisitorContador de Pessoas
Fechar menuNuxEasy AC IIProBio ACProfaceXface
Fechar menuNuxIn IINuxKey IIProRfNuxIp II
Fechar menuT1000T2000T3000TornGlassTornFullTornLineTornVirtual
Fechar menuBarreiras de Parques de EstacionamentoPilaretes de Estacionamento
Fechar menuInnuxParkInnuxPatrolInnuxTrackingInnuxProduction
Fechar menuEspasPark 30EspasPark 20EspasPark 10
Fechar menuNuxMobile GPRSNuxMobile IINuxMobile III
Fechar menuNuxPro
Fechar menuNuxIoNuxIo II
Fechar menuNuxReaderNuxID
Fechar menuCCTV IPCCTV Analógico
Fechar menuSaúde / HospitaisCâmaras MunicipaisSector EmpresarialClubes DesportivosLares IPSS
Fechar menuFormulário de DistribuidorRepresentantes Oficiais
Fechar menuServiçosSuporte TécnicoDesenvolvimento à medidaFormaçãoConsultoriaCertificação Técnica
Fechar menuQuem SomosQualidadeCasos de SucessoClientesRGPDRecrutamentoFAQ
Innux - It's about TIME!Norte: (+351) 229 812 220   •   Sul: (+351) 219 618 404   •   Madrid: (+34) 91 815 37 62 geralinnux.com

Entre em contactox

Coloque-nos as suas dúvidas.
A nossa equipa está ao seu dispor.

Ligue-nosx

(+351) 229 812 220

Ou nós ligamos-lhe!

Deixe os seus dados para contacto.
Seremos breves!

FAQ

 

Legislação sobre utilização de sistemas biométricos para Controlo de Acessos e Assiduidade+

A utilização de biometria é atualmente uma das técnicas mais comuns e mais credíveis, no que respeita a soluções de controlo de assiduidade e acessos. No entanto, a legislação delineia várias arestas que devem ser respeitadas na íntegra, com o objetivo de usufruir eficazmente deste tipo de sistemas.

 

“A Comissão Nacional de Proteção de Dados alerta os responsáveis para a necessidade de cumprirem certos princípios de proteção de dados e informa que irá considerar os seguintes aspetos no momento da apreciação dos tratamentos de dados biométricos para controlo de acessos e de assiduidade:

 

I. O tratamento de dados biométricos, porque estamos perante dados pessoais, deve respeitar todas as condições estabelecidas na Lei 67/98, nomeadamente:

a) O tratamento deve ser feito com respeito pela reserva da vida privada (artigo 2.º) e para finalidades determinadas, explícitas e legítimas (art. 5.º n.º 1 al. b);

b) Os dados devem ser adequados, pertinentes e não excessivos em relação à finalidade e proporcionados aos objetivos que se pretendem atingir (art. 5.º n.º 1 al. c);

c) O responsável só pode proceder ao tratamento se, de acordo com a natureza dos dados (artigo 6.º e 7.º), estiverem preenchidas as «condições de legitimidade»;

d) O responsável deve fazer a notificação destes tratamentos à CNPD (art. 27.º n.º 1).

e) O responsável deve assegurar o direito de informação em relação à existência de tratamento, dados pessoais tratados, finalidades e entidades a quem os dados podem ser transmitidos (cf. artigo 10.º);

f) O responsável não pode utilizar os dados biométricos para finalidade diversa da determinante da recolha (artigo 5.º n.º 1 alínea b) da Lei 67/98);

g) Aos titulares dos dados deve ser assegurado o direito de acesso, retificação ou oposição, nos termos dos artigos 11.º e 12.º alínea a).

 

II. No requerimento de notificação devem ser indicadas, com detalhe, as características do sistema biométrico, as condições de tratamento e outras condições que permitam à CNPD apreciar o pedido em termos de necessidade e de proporcionalidade. Deverão ser indicados, nomeadamente:

a) A capacidade do sistema e o número de trabalhadores abrangidos;

b) Forma como é armazenada ou gravada a característica biométrica;

c) Taxas de falsas rejeições ou de falsas aceitações do sistema;

d) Formas como foi ou vai ser assegurado o direito de informação aos trabalhadores;

e) Especificação do tipo de relacionamento com outros tratamentos (v.g. gestão de pessoal ou de remunerações);

f) Junção de declaração do fabricante comprovativo de que as chaves dos algoritmos não são cedidas e de que os sistemas não permitem a reversão.

 

III. A preocupação primordial em relação à utilização de dados biométricos passa pela ponderação, no caso concreto, da idoneidade e da necessidade daquele meio e da conformidade dos motivos apresentados com o princípio da proporcionalidade.

1. A finalidade do tratamento insere-se no âmbito do exercício de poderes de controlo conferidos legalmente ao responsável do tratamento, correspondendo a uma «atividade legítima».

2. O controlo de acessos e de assiduidade com recurso a dados biométricos apresenta-se como um meio adequado por corresponder a uma «finalidade legítima», razão pela qual esse controlo terá que ser enquadrado na previsão do artigo 6.º al. e) da Lei 67/98.

3. A CNPD deverá verificar, numa ponderação dos interesses em presença e em cada caso concreto, se «não prevalecem os interesses ou os direitos liberdades e garantias dos titulares dos dados» sobre o «interesse legítimo» invocado pelo responsável.

 

IV. A preocupação primordial em relação à utilização de dados biométricos passa pela ponderação, no caso concreto, da idoneidade e da necessidade daquele meio e da conformidade dos motivos apresentados com o princípio da proporcionalidade.

1. A finalidade do tratamento insere-se no âmbito do exercício de poderes de controlo conferidos legalmente ao responsável do tratamento, correspondendo a uma «atividade legítima».

2. O controlo de acessos e de assiduidade com recurso a dados biométricos apresenta-se como um meio adequado por corresponder a uma «finalidade legítima», razão pela qual esse controlo terá que ser enquadrado na previsão do artigo 6.º al. e) da Lei 67/98.

3. A CNPD deverá verificar, numa ponderação dos interesses em presença e em cada caso concreto, se «não prevalecem os interesses ou os direitos liberdades e garantias dos titulares dos dados» sobre o «interesse legítimo» invocado pelo responsável.

 

V. Em geral, a operação de recolha e comparação das características biométricas não constitui fator de discriminação ou violação do dever de respeito, nem afeta o recato ou pudor do trabalhador.

1. Se a inserção das características biométricas em cartão que o trabalhador traz consigo tem a vantagem de sossegar o trabalhador em relação ao não fornecimento da sua característica biométrica à entidade empregadora e de lhe permitir um controlo sobre a utilização dos seus dados biométricos, a verdade é que tem o inconveniente de exigir que o trabalhador tenha sempre o cartão consigo, obrigando o responsável a produzir novo cartão em caso de extravio ou mau estado de conservação.

2. Não estando afastados riscos efetivos de falsificação ou «apropriação» das características biométricas, aspeto que tem consequências imprevisíveis para os titulares nomeadamente se caminharmos para a utilização generalizada destes meios, a CNPD seguirá com atenção os novos desenvolvimentos tecnológicos.

3. A utilização de sistemas com deficiente grau de desempenho (v.g. uma elevada taxa de falsas aceitações ou de falsas rejeições) podem comprometer a finalidade do tratamento – o controlo de entradas e saídas – e criar dificuldades acrescidas ao trabalhador, que se refletem no exercício dos seus direitos, tal como estão delineados na Lei 67/98.

 

VI. Se houver este risco, deve entender-se que o sistema não reúne as condições legais para desempenhar as finalidades de controlo uma vez que, para além de a informação se encontrar desatualizada, é um fator de grande instabilidade e de falta de confiança no sistema, colocando aos trabalhadores grandes dificuldades de prova em relação à comprovação da «falsa entrada» que lhes foi atribuída pelo sistema.

 

VII. Se isso acontecer, o tratamento das características físicas intrínsecas do trabalhador contribui, nessas circunstâncias, para violar os princípios da qualidade dos dados e, em particular, o princípio da atualização, subjacentes à previsão do artigo 5.º da Lei 67/98.

 

VIII. Este aspeto, que é uma «condição de licitude do tratamento», condicionará o sentido da decisão da CNPD.

1. Neste quadro, apresentam-se como bastante problemáticas as consequências jurídicas da utilização destas tecnologias uma vez que a «prova biométrica» tem vindo, cada vez mais, a ser questionada em face da reconhecida impossibilidade destes sistemas serem 100 por cento fiáveis.

 

IX. Por isso, impõe-se que o responsável do tratamento não encare, sem qualquer flexibilidade, a introdução destes novos sistemas como instrumentos «infalíveis» em termos de reconhecimento, devendo abordar com realismo as situações em que o trabalhador questiona a sua eficácia.

 

X. Os fornecedores de equipamentos biométricos, que devem ser chamados pelos responsáveis dos tratamentos a detalhar as suas características, podem vir a ser envolvidos e ter um papel ativo na apresentação de soluções mais seguras que impeçam a utilização de dados para outras finalidades ou que reforcem, de forma efetiva, a privacidade dos titulares dos dados.

 

XI. Na linha do que já dispõe o artigo 17.º n.º 4 do Código do Trabalho, deve ser reconhecido ao trabalhador o «controlo sobre o tratamento dos seus dados pessoais» colocando ao seu alcance mecanismos para verificar – no momento da sua identificação/autenticação – se o sistema fez o seu reconhecimento (ou se fez um «falso reconhecimento»).

 

XII. Para obviar aos perigos decorrentes da falta de performance e eficácia no desempenho do sistema – que deve ser testado, na prática, durante um período experimental adequado – será desejável que, no momento da validação/identificação do trabalhador pelo sistema, haja mecanismos de «validação» adicional que permitam um maior rigor no reconhecimento ou autenticação (por exemplo, um écran junto ao sensor que forneça o nome da pessoa ou n.º de funcionário que acabou de ser identificada, a digitação prévia do n.º de empregado a que se seguirá a apresentação da característica biométrica perante o sensor).

1. A utilização para finalidade não determinante da recolha carece, necessariamente, de autorização prévia da CNPD, nos termos dos artigos 23.º n.º 1 al. c) e 28.º n.º 1 al. d) da Lei 67/98.

 

XIII. Os dados pessoais recolhidos não podem ser comunicados a terceiros.

 

XIV. Os dados biométricos serão obrigatoriamente eliminados no momento da transferência do trabalhador para outro local de trabalho ou no caso da cessação do contrato de trabalho.

 

XV. A CNPD considera que, pelo menos numa primeira fase, as autorizações podem vir a ser dadas por um período experimental.

 

XVI. Decorrido esse «período experimental» a CNPD fará uma avaliação destas tecnologias, podendo vir a fazer alterações, motivadas pela necessidade de observância de princípios de proteção de dados, em função das circunstâncias, condições de funcionamento e de desempenho dos sistemas biométricos.

 

XVII. Os trabalhadores e os seus representantes são convidados a estar atentos ao funcionamento do sistema e a canalizar os elementos úteis para a avaliação da CNPD.”

 

Fonte: http://www.cnpd.pt

Como controlar o absentismo?+

Identificar e controlar o absentismo é um dos principais desafios de uma organização, pois a ocorrência de faltas dos profissionais afeta diretamente a empresa em vários aspectos, como queda de produtividade, aumento de custos, clientes insatisfeitos e impacto negativo na faturação. Neste contexto, é fundamental que as empresas façam uma gestão adequada dos seus recursos humanos e das faltas dos seus trabalhadores

Existe algumas estratégias para diminuir o absentismo nas empresas, tais como:

  • Manter um bom clima organizacional
  • garantir que a comunicação seja eficiente
  • Oferecer um plano de carreira para combater o absentismo nas empresas
  • Feedbacks constantes
  • Estabelecer políticas de reconhecimento
  • Promover a qualidade de vida
  • Criar metas individuais
O que é a Biometria?+

A biometria é o estudo estático das características físicas e comportamentais dos seres vivos em tecnologia da informação, a biometria refere-se à tecnologia que mede e analisa as características do corpo humano, para fins de autenticação.

Várias tecnologias Biométricas+

Os sistemas biométricos podem requerer identificação através de diferentes características do corpo de uma pessoa, como o impressões digitais, retinas e íris, padrões de voz, padrões faciais e medições de mão. Também é possível que sistemas biométricos consigam identificar alguém por meio da voz, maneira de andar, etc

O que é RFID?+

A tecnologia de RFID (radio frequency identification – identificação por radiofrequência) não é mais que um termo genérico para as tecnologias que utilizam a frequência de rádio para captura de dados. Por isso existem diversos métodos de identificação.

Esta tecnologia permite a captura de dados, para identificação de objetos com dispositivos eletrónicos, conhecidos como etiquetas eletrónicas, tags, RF tags ou transponders, que emitem sinais de radiofrequência.

Várias tecnologias RFID+

A tecnologia RFID está a ser utilizada por áreas cada vez mais diversificadas é utilizada para identificar, rastrear e gerir produtos, documentos, objetos, pessoas, animais.

Podemos encontrar esta tecnologia na identificação de bagagens nos aeroportos, no fecho central dos veículos, nos passes de transportes públicos, na identificação de animais domésticos, nos passaportes e em cartões de identificação públicos. Até a monitorização de temperaturas poderá ser feita através da tecnologia RFID tornando-se útil para processos de fabricação e logísticas de produtos.

O que é Comunicações TCP/IP?+

O TCP/IP é o principal protocolo de envio e recebimento de dados MS internet. TCP significa Transmission Control Protocol (Protocolo de Controle de Transmissão) e o IP, Internet Protocol (Protocolo de Internet).

O que são relógios de Ponto?+

O Relógio de Ponto é um aparelho que funciona para controlar as horas de trabalho de um funcionário de numa empresa.

Esse registo é feito por meio de impressão digital ou uso de cartão magnético, e é armazenado na memória do equipamento, posteriormente, esse registo será processado por um software de tratamento de ponto.

O Relógio de Ponto é a maneira mais segura de se fazer o registo de ponto dos funcionários, já que tal registo poderá ser feito de forma única e intransferível.

Conectores de integração+

Os nossos softwares possuem integração com as principais empresas de ERP do mercado Nacional e Internacional com plugins desenvolvidos em parceria de forma a auxiliar o departamento de recursos humanos, aproveitado dados comuns, sem que acha redundâncias de trabalho.

Integrações: APR, AIRC, ARTSOFT, ETICADATA, F3M, GRH, SAGE INFOLOGIA, INFOS, QUIDGEST, MEDIDATA, META4, MICRODIGITAL, MINIMAL, RH+, RHXXI, ACSS, FILISOFT

O que é controlo de acessos?+

É um conjunto de subsistemas que permitem efectuar a gestão de um edifício, controlando os seus utilizadores e podendo restringir o seu acesso a determinados locais e até registar os seus movimentos.

O que são torniquetes de acesso?+

Os torniquetes são equipamentos que permitem apenas a passagem de uma pessoa de cada vez possibilitando o acesso a ambientes restritos. São usados para controlar ou limitar o acesso de pessoas em recintos, empresas ou eventos.

O que são barreiras de parques de estacionamento?+

As barreiras são estruturas que possuem caraterísticas que asseguram um controlo de movimentos de veículos e acessos a parques de estacionamento. Este equipamento combina mecanismo com automatização

Este website utiliza cookies para melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar está a consentir que os cookies sejam guardados no seu browser.
Concordo